HOME | 2006 | 2007 | 2008 | 2009 | 2010 | 2011 | 2012 | 2013 | ATL:BR
Heróis Sujos
Data: 25 de outubro 2011
Fonte: The Spectrum
Tradução: Marcela Avanzi

Heróis Sujos


Dois meses extras é um tempo doloroso para esperar por qualquer coisa, especialmente por um show. O All Time Low prova que eles compensam o tempo extra.

Depois de lançarem seu terceiro álbum completo, Dirty Work, em Junho, e completando várias festivais Europeus, os nativos de Baltimore saíram na turnê "Gimme Summer Ya Love". Marcado para acabar em Niagara Falls em 27 de junho, os fãs ficaram desapontados quando a banda teve que voltar para suas casas para assegurar suas residências contra do furacão Irene.

Entretanto, dois meses foi um pequeno preço a se pagar pelo set estendido que o All Time Low tocou domingo à noite no Teatro Rapids. Como primeira parada na turnê "Rise and Fall of My Pants", o All Time Low fez com que seus fãs recebessem um show que valesse a espera.

Isto é, um set do All Time Low que compensasse a espera. As bandas de abertura se provaram um grande desapontamento para aqueles que desejaram ver as antigas bandas Cartel, The Cab e We Are The In Crowd. Em vez disso, o publico se viu assistindo Paradise Fears e He Is We, nenhum deles podia ter sido possivelmente pior que a atrocidade que foi o The Ready Set.

Os que tinham ingresso podiam ter entrado às 9 da noite e se salvado de duas horas de dor de cabeça sem noção. Conhecidos por trazerem bandas excitantes em turnê, o All Time Low pareceu ter ido por duas bandas interessantemente opostas, que, mesmo não sendo horríveis, não encaixaram com o som que os fãs estavam esperando. Enquanto Paradise Fears e He is We foram, em geral, recebidos com olhares brancos, The Ready Set pareceu conseguir deixar alguns fãs novos excitados, embora ele tenha sido em geral incompreensível e não tenha a capacidade de atingir as notas em suas próprias musicas.

Contudo, assim que o quarteto atingiu o palco ao som de "Forget About It", foi fácil de fazer enquanto eles cantavam e levavam as aberturas para longe das mentes.

"Quando nós tocamos ao vivo, é uma coisa que levamos muito a sério, é nosso foco como uma banda," disse o vocalista principal Alex Gaskarth. "Nós gravamos para que as pessoas tenham material para ouvir, mas nossa esperança é que eles venham aos shows."

Ir os fãs fizeram, e eles foram servidos com o maior set que o All Time Low já tocou até hoje. Com 16 músicas dos três álbuns e um EP, o grupo acidentalmente desviou da setlist e acabou adicionando algumas favoritas antigas que eles não tocam o suficiente.

"Nós tentamos fazer nosso melhor, para fazer que isso seja uma experiência única toda vez," disse Gaskarth. "Nós não meio que manufaturamos nossos shows, não é uma coisa planejada... O que acontece entre as músicas, durante as músicas, é imprescindível. É bem natural e eu acho que as pessoas se conectam com isso... faz isso um pouco mais real."

Tendo recebido o Kerang! Award na última primavera por Melhor Banda Ao Vivo, o All Time Low tem um show que continua trazendo os fãs todas as vezes que eles estão na cidade. Tocando top singles incluindo "Damned If I Do Ya (Damned If I Don't), "Coffee Shop Soundtrack" e "Time-bomb," os ouvintes também foram servidos para ouvir músicas como "Stella" do Nothing Personal e a musica pop-punk mais forte do Dirty Work, "Heroes".

Tudo isso vindo da banda que fez a transição para uma grande gravadora com sucesso sem quebrar o passo.

"Tem sido uma função completa trazer novas oportunidades para a mesa," disse Gaskarth. "Antes nós estávamos em uma gravadora menor com menos status e eles fizeram coisas incríveis para nós, mas com a Interscope nos apoiando nós meio que temos um time internacional muito mais amplo meio que nos apoiando fazendo bons negócios para nós e boas decisões. Isso definitivamente ajuda, eu acho, eles só têm um pouco mais de alcance em tudo."

Enquanto o All Time Low trabalha com a Interscope para expandir suas influencias através dos mares, os fãs caem no medo clássico da preocupação que sua banda tenha feito o impensável - "se vender."

"Eu não acho que tenhamos nos vendido ... esse estereotipo existe porque as pessoas são má informadas, eles realmente não sabem como funciona quando uma banda muda de uma gravadora ou fazem uma mudança de gravadora ou coisas do tipo," disse Gaskarth. "Eu acho que primeiro e principalmente as pessoas tem que perceber que isso não foi uma coisa feita financeiramente. Não foi um movimento que nos fez algum tipo de dinheiro ou nada disso, foi uma coisa que meio que deixa nossas carreiras crescerem além do que era."

Naysayers podem colocar seus medos para descansar, ou melhor ainda, eles podem checar um show do All Time Low e verem que eles estão tão bons quanto sempre.



Hosted by Flaunt Network